João Pessoa
Feed de Notícias

Agricultores produzirão mudas de abacaxi resistente à fusariose

sábado, 25 de agosto de 2012 - 09:41 - Fotos:  Antonio David/Secom-PB

As mudas de abacaxi Vitória resistentes à fusariose, distribuídas com agricultores familiares do Assentamento Água Branca, em São Miguel de Itaipu, no Baixo Paraíba, ajudarão aumentar a produção de alimentos agroecológicos, levando mais renda para os produtores e benefícios ao meio ambiente, já que essa variedade requer o menor uso possível de defensivos.

A fusariose, causada por um fungo, é a principal ameaça à lavoura no País. A distribuição das mudas Vitória decorre de parceria entre a Emater PB e a empresa Consplan que atende as famílias. O plantio no assentamento funcionará como unidade de multiplicação de mudas.

Segundo os extensionistas que atendem ao assentamento e dirigentes da Associação dos Trabalhadores Rurais de Água Branca, a proposta é reduzir a incidência de defensivos agrícolas na lavoura e com isso fazer com que cheguem à mesa do consumidor produtos de melhor qualidade. As famílias agricultoras ressaltaram a importância da iniciativa da Emater porque a partir disso produzirão suas próprias mudas para as próximas safras, e ainda repassarão aos demais assentados.

“Como a variedade Vitória é resistente à fusariose podemos priorizar o trabalho com base na agroecologia”, afirmou o coordenador técnico do projeto no assentamento, Manoel Cavalcante Barreto.

Os agricultores estão se preparando para comercializar seus produtos agrícolas no Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) e no Programa de Aquisição de Alimento (PAA) a partir do próximo ano. “Estamos trabalhando com a sustentabilidade da produção e apostamos nessa nova variedade. Teremos produtos de melhor qualidade para atender ao mercado das feiras agroecológicas”, disse a agrônoma Celeida Queiroz Lima da Nóbrega.

O assessor estadual na especialidade do abacaxi da Emater, Leôncio Vilar, informou que a variedade Vitoria é uma criação da Embrapa Mandioca, cujas mudas foram multiplicadas na fazenda do produtor Cleanto Castro, em Itapororoca, com assessoramento da Emater. Segundo pesquisadores da Emepa, a aplicação de defensivos agrícolas em cada hectare de abacaxi é de 14 litros, mas como esta variedade é resistente à fusariose, deixarão de ser aplicados 6,25 litros, uma redução de aproximadamente 45%.

As sementes de abacaxi da variedade Vitória introduzidas pela Emater Paraíba foram distribuídas também entre os agricultores familiares em assentamentos, numa parceria entre a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca e o Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Segundo o técnico da Emater, o produtor investe entre R$ 10 mil a R$ 15 mil para produzir um hectare de abacaxi, dependendo do nível tecnológico empregado. Leôncio garante que o retorno é compensador porque em cada hectare se pode ganhar, em média, entre R$ 9 mil e R$15 mil.

Expansão da cultura – No ano de 2010, a Emater Paraíba recebeu 68 mil mudas da variedade Vitória, que foram plantadas no município de Itapororoca para multiplicação da espécie. Além de mais produtivo, o abacaxi Vitória é um fruto de mais qualidade e maior aceitação no mercado. Seu porte se assemelha às variedades ‘Pérola’ e ‘Smooth Cayenne’, mais consumidas, além de não possuir espinhos nas folhas, facilitando os tratos culturais.

As mudas do abacaxi Vitória foram produzidas em laboratório, originadas de três híbridos elaborados pela Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical em Cruz das Almas (BA), e depois introduzidas nas Fazendas Experimentais do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper). “Os frutos são cilíndricos, e quando maduros, possuem casca amarelada e tem elevado teor de açucares, proporcionando uma fruta de excelente aceitação no mercado”, explicou Leôncio.

Na avaliação da professora do Departamento de Ciências agrárias da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Silvana de Melo Silva, a produção do abacaxi na Paraíba está passando por uma expansão a partir do processo de reorganização.

Instituições como a UFPB, a Empresa Estadual de Pesquisa Agropecuária da Paraíba (Emepa), a Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), e outros parceiros, como associações de produtores de abacaxi e assentamentos rurais estão desenvolvendo projeto em torno da cultura.

O abacaxi é a quarta cultura que mais gera lucro na Paraíba, perdendo para o milho, o feijão e a mandioca. Os municípios paraibanos que lideram a produção de abacaxi são Itapororoca, Araçagi, Santa Rita, Pedras de Fogo e Lagoa de Dentro.

Grande parte do abacaxi paraibano é exportada para os estados brasileiros, sendo São Paulo o maior consumidor. Segundo dados do IBGE, no ano passado, a produção nacional de abacaxi foi de 1.413.352.000 frutos em todo o país. Coube à Paraíba a produção de 273.520.000 unidades, ganhando do Pará, que produziu 248 milhões de frutos, e Minas Gerais, com 222 milhões. O município paraibano de Itapororoca concentra 76% da produção de abacaxi, seguido de Santa Rita e Araçagi.