Fale Conosco

1 de junho de 2017

Agricultores e técnicos discutem avanços da agroecologia no Território da Borborema



Com a participação de mais de cem pessoas, entre agricultores familiares, pesquisadores, extensionistas rurais e de alunos do curso de Agronomia, foi realizado na quarta-feira, dia 31, no Convento Ipuarana, em Lagoa Seca, o Seminário “Agroecologia em Foco no território da Borborema”. O evento foi promovido pelo Governo do Estado por meio da Gestão Unificada Emepa/Interpa/Emater, vinculada à Sedap, e discutiu o fortalecimento da cadeia produtiva orgânica na região.

Na abertura, representando o presidente da Gestão Unificada Nivaldo Magalhães, o coordenador de operações da Emater, Alexandre Alfredo, enfatizou o trabalho realizado com agroecologia, destacando o Projeto Algodão Paraíba como uma ação de sucesso. “A agroecologia está presente na vida das pessoas, é uma exigência da sociedade, a GU vem a cada dia aperfeiçoando suas práticas agroecológicas e o algodão tem o reconhecimento internacional”, comentou. Também esteve presente o diretor técnico da Emepa, Manuel Duré, que destacou os trabalhos de pesquisas disponibilizados para os agricultores.

O assessor estadual de Agroecologia da Emater, Ricardo Farias, fez palestra sobre a experiência do Projeto Algodão Paraíba, como metodologia de transição agroecológica e geração de renda. Há garantia de compra da produção a preço de mercado, a partir de um contrato de compromisso com o agricultor. “É uma atividade rentável, agregando outras culturas e realizada com planejamento também contribui para recuperar o meio-ambiente”, comentou.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento é um dos órgãos parceiros, por meio da sua superintendência na Paraíba, está integrado no processo de sensibilização dos agricultores e a aproximação junto aos consumidores.

A pesquisadora Ivonete Berto Menino, da Emepa, coordenadora do evento, disse que a agroecologia é um processo de troca de experiências e saberes no âmbito familiar, comunitário e organização social para a construção de práticas agroecológicas. O pesquisador João Felinto, da Emepa, também abordou os trabalhos de pesquisas disponíveis.

O pesquisador da Embrapa e ex-secretário da Agricultura do Desenvolvimento Agropecuário da Paraíba, Marenilson Batista abordou o trabalho de articulação das políticas públicas na agricultura familiar no Território da Borborema, destacando as parcerias entre os diferentes órgãos que ajudam a consolidar as práticas ecológicas na região. “A pesquisa e a assistência técnica são fundamentais para o crescimento da agroecologia”, disse.

Durante o seminário, que transcorreu por todo o dia, os agricultores familiares falaram sobre suas experiências. A professora Shirleyde Alves dos Santos, da UEPB, abordou a importância e tendências da agroecologia na segurança alimentar. A professora Élida Correa Barbosa, por sua vez, falou sobre o manejo agroecológico e problemas fitossanitários na agricultura, com focos em citros e hortaliças. A certificação e comercialização de produtos orgânicos foram apresentadas pelo pesquisador Manoel Mota, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.