Fale Conosco

27 de abril de 2016

Agevisa reúne municípios do roteiro da tocha olímpica e discute estratégia de prevenção de riscos



Representantes das Vigilâncias Sanitárias dos municípios de Pedras de Fogo, Itabaiana, Campina Grande, Guarabira, Sapé e Mamanguape, que integram o roteiro de passagem da tocha olímpica das Olimpíadas 2016 pela Paraíba, participaram de reunião promovida pela Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa/PB) com a finalidade de discutir as ações conjuntas de controle sanitário que devem ser realizadas para prevenir os riscos e proteger a saúde das pessoas durante a realização dos eventos.

Na Paraíba, as ações de proteção à saúde das pessoas nos períodos pré, durante e pós-passagem da tocha olímpica envolvem, além da Agevisa, vários outros órgãos da administração estadual, dentre os quais as Vigilâncias em Saúde e Ambiental, órgãos ligados à Secretaria de Estado da Saúde; e a determinação é estabelecer parceria direta com os municípios para a realização de operações conjuntas e eficientes no sentido de prevenir e proteger a população dos riscos comuns aos eventos de massa, segundo ressaltou a diretora-geral da Agevisa/PB, Glaciane Mendes.

A dirigente informou que a tocha olímpica, que percorre o Brasil rumo à cidade-sede das Olimpíadas 2016 (Rio de Janeiro/RJ), onde chegará no dia 4 de agosto, passará pela Paraíba nos dias 2, 3 e 4 de junho. “No primeiro dia a tocha percorrerá as principais vias das cidades de Pedras de Fogo, Itabaiana e Campina Grande. No segundo dia passará por Guarabira, Sapé e João Pessoa. No terceiro e último dia (04/06) estará na cidade de Mamanguape, de onde seguirá para o vizinho Estado do Rio Grande do Norte”, observou.

Ela ressaltou também que, por se tratar de um evento de massa, a passagem da tocha olímpica deverá reunir um elevado contingente de pessoas em todos os municípios integrados ao projeto, inclusive nas cidades paraibanas, fato que aumentará consideravelmente os riscos de transmissão de doenças infecciosas e de surtos, o que exige dos órgãos governamentais a adoção de ações que permitam a identificação, monitoramento e respostas rápidas às possíveis situações de risco à saúde das pessoas.

Nesse cenário, Glaciane Mendes ressaltou a importância do papel da Vigilância Sanitária e enumerou alguns elementos importantes que devem ser observados, dentre os quais o apoio dos gestores às ações desenvolvidas; o fortalecimento da capacidade de resposta da Vigilância Sanitária; a integração com outras áreas da saúde, principalmente com as áreas Epidemiológica e Ambiental; o reconhecimento do papel da Visa pelos demais órgãos, e o aprimoramento da Comunicação e do Gerenciamento de Risco para os grandes eventos (serviços de saúde, alimentos e laboratório).

Ações de controle sanitário – Conforme observou a diretora-geral da Agevisa/PB, é recomendado a todas as pessoas, entidades e órgãos envolvidos (órgãos governamentais e não governamentais; pessoas responsáveis pelo evento; organizadores, empresas ou empresários contratados etc.) o estabelecimento de medidas de prevenção dos riscos à saúde, reduzindo a probabilidade de eventos negativos e assegurando o cumprimento dos requisitos necessários à garantia da qualidade dos serviços ofertados, merecendo atenção especial as áreas de alimentação, prestação de serviços de saúde, oferta de água potável, coleta e destinação de resíduos sólidos, controle de pragas, coleta e destinação de efluentes sanitários, e de limpeza e desinfecção (quando couber).

Na reunião com os representantes dos municípios, que teve também a participação da gerente executiva de Vigilância em Saúde do Estado, Renata Valéria Nóbrega, do gerente da Vigilância Ambiental, Geraldo Moreira Menezes, da gerente técnica da Agevisa/PB em Guarabira, Ana Lúcia Teixeira, e de outros diretores e gerentes setoriais da agência reguladora estadual, Glaciane Mendes apresentou uma série de recomendações que devem ser observadas e que constam da Nota Técnica nº 04/2016, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Emergências em Vigilância Sanitária, segundo a diretora-geral da Agevisa/PB, podem ser notificadas via Rede de Emergências em Saúde (CIEVS) ou diretamente para o Centro de Gerenciamento de Informações sobre Emergência em Vigilância Sanitária (eVISA), por intermédio dos telefones do plantão (83) 9.8842-8263 (Agevisa/PB) e (61) 9522-6064 e 9965-7625 (Anvisa).

Inspeções prévias – Glaciane Mendes também ressaltou a recomendação no sentido de que devem as Vigilâncias Sanitárias realizar inspeções sanitárias prévias nos possíveis locais de hospedagem (hotéis/pensões/albergues/hospedarias) onde a equipe responsável pelo deslocamento da tocha irá pernoitar; fiscalizar previamente os locais de montagem dos eventos festivos, e adotar a fiscalização sanitária relativa ao controle do Aedes aegypti.