Fale Conosco

22 de setembro de 2016

Agevisa-PB alerta para os riscos do consumo de produtos sem registro no Ministério da Saúde 



“A utilização de produtos sem registro junto ao Ministério da Saúde pode causar sérios riscos aos usuários, sejam eles cosméticos, equipamentos estéticos, de saúde, gêneros alimentícios, de higiene, etc., por não serem submetidos ao controle de qualidade, tanto técnico quanto sanitário”, alertou a diretora-geral da Agência Estadual de Vigilância Sanitária, Glaciane Mendes.

Destaque da edição desta quinta-feira (22) do programa “Momento Agevisa”, que vai ao ar dentro da programação do Jornal Estadual da Rádio Tabajara (AM 1.110 e FM 105.5), entre as 6h e 7h da manhã, a preocupação da Agevisa/PB em relação ao assunto, segundo a diretora técnica de Ciência, Tecnologia Médica e Correlatos, Helena Lima, se deve à constatação de que a população vem consumindo cada vez mais produtos de origem desconhecida, provenientes principalmente do exterior, devido às facilidades de acesso proporcionada pelo avanço tecnológico globalizado e também pela grande extensão de fronteiras desguarnecidas.

Helena Lima observou que a desinformação, aliada à forma como os produtos são anunciados através dos veículos de comunicação de massa, se constitui num dos principais agravantes dos riscos a que as pessoas são expostas, à medida que se estimula o consumo pelo consumo, sem alertar os consumidores para a necessidade de se buscar informações sobre os produtos adquiridos e consumidos.

De acordo com a diretora-técnica, que é odontóloga, pode ser citada como exemplo de produtos que oferecem perigo ao usuário os clareadores dentais. Em 2015, segundo ela, a Anvisa proibiu a venda desse tipo de produto sem prescrição de dentistas em atendimento a pedido do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo.

“A decisão teve por base o fato de os clareadores conterem alto teor abrasivo, podendo danificar o esmalte dos dentes, causar inflamações na boca e provocar dores em pessoas com maior sensibilidade”, explicou Helena. Ela acrescentou que esses riscos não são informados nas propagandas, e disse que cabe à população ajudar na defesa de sua saúde, aumentando os cuidados na hora de comprar produtos desconhecidos, tanto nos balcões dos estabelecimentos comerciais quanto por meio da internet. Deve-se também buscar maiores informações sobre os mesmos.

Alvarás sanitários – Outro procedimento importante que deve ser adotado pelo consumidor é a observação da existência ou não de Alvará Sanitário nos estabelecimentos onde buscam produtos ou serviços, pois aqueles que não dispõem do Alvará, que é fornecido pela Vigilância Sanitária, atuam na ilegalidade e, por consequência, podem estar oferecendo produtos sem controle e, portanto, nocivos à saúde dos seus clientes.