Fale Conosco

25 de junho de 2014

Agevisa disponibiliza cartilha para orientar viajantes sobre cuidados com saúde



A Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa/PB) disponibilizou no site http://www.agevisa.pb.gov.br a Cartilha do Viajante, publicação produzida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa/MS) com a finalidade de orientar os turistas que circulam pelos Estados brasileiros, especialmente neste período de grandes eventos de massa, com destaque para a Copa do Mundo e os festejos juninos.

A diretora geral da Agevisa/PB, engenheira de Alimentos Glaciane Mendes, ressaltou que embora de se encaixe bem neste momento de Copa do Mundo e de São joão, o Guia de Saúde do Viajante não se destina exclusivamente a este período, sendo de grande utilidade permanentemente. “As informações contidas na publicação são importantíssimas e atemporais, e foram especialmente preparadas para as pessoas que viajam (a passeio ou a negócios) dentro do Brasil ou no exterior” comentou.

Com dicas práticas, informações essenciais e conselhos úteis para ajudar a proteger a saúde dos viajantes e tornar as viagens mais agradáveis e tranquilas, o Guia orienta as pessoas a se prevenirem com antecedência, começando pela busca de informações sobre o local para onde se vai viajar para saber se há risco de doenças e se há necessidade de vacinas ou outras medidas preventivas.

Se a pessoa estiver com alguma doença aguda (uma gripe, por exemplo), o conselho é de que se evite viajar. Havendo uso contínuo de medicamentos, a orientação é de que os mesmos devem ser levados em quantidade suficiente para o período da viagem. Uma outra dica é procurar um serviço de saúde, preferencialmente quatro a oito semanas antes da viagem, para pedir orientações a respeito dos cuidados necessários e para atualizar o cartão de vacinação.

Vacinas – Em viagens internacionais, a Anvisa informa que pode ser exigido o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP), comprovando a vacinação contra a febre-amarela, que deve ser tomada pelo menos dez dias antes da viagem.

Febre-amarela e malária – A vacina contra a febre-amarela e malária também deve ser tomada dez dias antes de se praticar pescaria em rios, realizar turismo ecológico, rural ou de aventura ou antes de se visitar áreas de mata. Se viajar para regiões onde há transmissão de malária, as pessoas devem usar roupas que cubram bem o corpo; evitar contato com margens de rios e lagoas após o pôr-do-sol, e fazer uso de mosquiteiro. E no caso de apresentarem febre, devem procurar imediatamente atendimento médico.

Atendimento médico – Em viagens dentro do Brasil, havendo necessidade de atendimento médico, deve-se procurar o serviço de saúde mais próximo. Se necessitar de transporte para um serviço de emergência, deve-se discar 192, que é o número do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Já em viagens ao exterior, o atendimento médico em vários países pode custar muito caro. Por isso o viajante deve avaliar a possibilidade de contratar um seguro de saúde internacional durante o período de sua viagem. Segundo a Anvisa, alguns países mantêm acordos internacionais de atendimento gratuito com o Brasil, e as informações sobre esses e outros serviços podem ser obtidas no endereço http://www.anvisa.gov.br/viajante/.

Durante viagens prolongadas de ônibus ou de avião, a Anvisa aconselha os viajantes a evitarem ficar muito tempo em uma mesma posição, devendo os mesmos se movimentar, alongar braços e pernas e caminhar, sempre que possível. Para viagens de carro, aconselha-se prudência nas ultrapassagens, respeito aos limites de velocidade e abstinência ao uso de álcool.

Os viajantes também são aconselhados a evitar a exposição ao sol entre dez horas da manhã e quatro horas da tarde, a cobrirem-se, sempre que possível, com roupas apropriadas, chapéu e óculos escuros, e a usar protetor solar apropriado. A importância do uso de preservativo também é ressaltada no Guia do Viajante por ser uma forma eficaz de proteção contra doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), incluindo o HIV/Aids, e também de prevenção de gravidez não planejada.

Higiene – Sobre os cuidados com a higiene, os viajantes são aconselhados a lavar as mãos com água e sabão várias vezes ao dia, principalmente antes de comer, como também a evitar o consumo de alimentos em locais cujas condições higiênicas de preparo e acondicionamento sejam precárias. Ao tossir ou espirrar, deve-se cobrir o nariz e a boca com lenço descartável.

Alimentos e bebidas – Ressaltando a importância de se beber bastante líquido, preferencialmente água, água de coco ou sucos, especialmente no Verão, a Anvisa orienta os viajantes a lavarem bem as frutas e verduras, evitarem alimentos crus ou mal cozidos e ficarem atentos à identificação dos produtores, à data de validade e ao próprio estado de conservação das embalagens dos alimentos.

Insetos e animais – No caso de visita a lugares onde haja muitos insetos e animais, o uso de repelente abre a lista de recomendações, que inclui também a utilização de mosquiteiro ou cortinado pode reduzir o risco de contração de doenças transmitidas por mosquito, como a malária.

Em áreas de mata, deve-se utilizar calçados fechados e roupas (preferencialmente de cores claras) que protejam contra picadas de insetos e animais peçonhentos.

Segurança – Uma das recomendações importantes na questão de segurança é a de se evitar áreas com risco de inundação ou deslizamento, pois em períodos chuvosos o aumento repentino do volume de água em cachoeiras e rios pode causar acidentes graves. Os viajantes devem também usar calçados, roupas confortáveis e equipamentos de proteção (colete salva-vidas, capacete, ou outros) quando necessário.

O retorno – O Guia de Saúde do Viajante também chama a atenção para os cuidados que devem ser tomados no retorno das viagens. É que algumas doenças podem manifestar os seus sintomas quando as pessoas retornam ao seu local de origem. Se isso acontecer, o viajante deve procurar o serviço de saúde e informar ao médico sobre sua viagem. Esta informação é importante e pode ajudar no diagnóstico.