Fale Conosco

22 de maio de 2014

Agevisa capacita técnicos sobre inspeção de produtos derivados do fumo



A Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa) deu prosseguimento, nesta quinta-feira (22), ao projeto de descentralização das ações de vigilância sanitária empreendidas pelo Governo do Estado com vistas ao aperfeiçoamento das inspeções dos produtos derivados do fumo em todo o território paraibano. Desta vez, serão treinados técnicos e inspetores das Visas Municipais das cidades que integram as 1ª e 14ª Regiões de Saúde do Estado.

Tais regiões integram a 1ª Gerência Técnica Regional da Agevisa/PB, que tem sede no município de Guarabira, no Brejo paraibano, mas a capacitação é realizada na sede do Centro Regional de Saúde do Trabalhador (Cerest/PB), à Avenida Jesus de Nazaré, s/n, no bairro de Jaguaribe, em João Pessoa.

Iniciada em outubro de 2013, a capacitação já alcançou as Visas Municipais das cidades localizadas na 2ª Região de Saúde do Estado, com sede em Guarabira; na 16ª Região de Saúde, com sede em Campina Grande; na 4ª Região de Saúde do Estado, onde o treinamento foi ministrado no município de Cuité, e na 6ª Região de Saúde do Estado, que tem sede no município de Patos, no Alto Sertão paraibano.

Segundo a diretora técnica de Ciência, Tecnologia Médica e Correlatos da Agevisa/PB, Helena Lima, com o treinamento desta quinta-feira (22), o Governo atinge um percentual de 80% dos municípios paraibanos com informações sobre inspeções e legislação relacionadas aos produtos ligados ao fumo. Isto significa, segundo a diretora geral da Agevisa, engenheira de Alimentos Glaciane Mendes, um feito importantíssimo no sentido da proteção da saúde da população por meio de ações efetivas de combate ao tabagismo e de coibição da venda de produtos proibidos pela legislação sanitária.

O objetivo do Governo, segundo ela, é capacitar o maior número possível de técnicos e inspetores das Visas municipais de todas as Regiões de Saúde da Paraíba. “Com isso, estaremos oferecendo à população uma proteção bem mais qualificada, eficiente e abrangente, à medida que, por meio das ações pactuadas, a Vigilância Sanitária Estadual poderá atingir todo o conjunto da sociedade paraibana com suas ações de proteção e promoção da saúde”, reafirmou.

Segundo Helena Lima, dentre os temas abordados durante os treinamentos há ênfase para a questão dos aditivos que comumente são utilizados pela indústria do tabaco para estimular o hábito de fumar, notadamente junto às camadas mais jovens da população. Além da questão dos aditivos, estão sendo repassadas aos profissionais ligados à segurança sanitária informações sobre legislação e sobre os procedimentos que devem ser observados durante as inspeções.

O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um problema de saúde pública global, e se constitui na segunda maior causa de mortes no mundo. Tanto é assim que, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), a ocorrência de mortes decorrentes do consumo do cigarro já superou a casa dos cinco milhões de vítimas por ano, o que corresponde a mais de 10 mil mortes por dia.

O tabagismo, conforme observa Helena Lima, é um problema de saúde pública que desencadeia e agrava condições de hipertensão e diabetes, aumentando também o risco de os usuários desenvolverem tuberculose, e por consequência, chegarem a perder a própria vida. Além disso, mesmo sendo reconhecido como uma “droga lícita”, o cigarro pode ser considerado como uma porta de entrada para o consumo de outras drogas, como, por exemplo, a maconha, que é consumida em forma de cigarro.