Fale Conosco

17 de março de 2017

Agevisa associa combate ao fumo ao mês da mulher e diz que fumar eleva riscos do câncer de mama



O aumento dos riscos de contrair câncer de mama por parte das mulheres fumantes foi o tema escolhido pela Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa/PB) para a edição do programa Momento Agevisa ligado ao Dia Estadual de Combate ao Tabagismo, transcorrido na última quarta-feira, 15 de março. O Momento Agevisa é um informativo que vai ao ar no início das manhãs das quintas-feiras, dentro da programação do Jornal Estadual da Rádio Tabajara (AM 1.110 e FM 105.5).

Integrada à campanha promovida pelo Governo estadual para ampliar as informações e conscientizar as pessoas dos graves problemas causados no organismo humano pelas substâncias tóxicas presentes nos cigarros e em outros produtos do gênero, a Agevisa/PB associou a campanha ao Mês da Mulher (março) com a finalidade de alertar a população paraibana para o alto índice de mortalidade provocado pelo tabagismo e para lembrar que o hábito de fumar pode aumentar as chances de contrair o tipo mais comum de câncer de mama pelas mulheres fumantes com idade de até 44 anos.

A constatação, segundo a diretora-técnica de Ciência e Tecnologia Médica e Correlatos da Agevisa, Odontóloga Helena Teixeira de Lima Barbosa, tem base em pesquisa realizada pela Sociedade Americana do Câncer e divulgada no Portal do Instituto Nacional do Câncer (Inca), em veículos de comunicação de alcance nacional e em portais de vários outros órgãos diretamente ligados à saúde da mulher com atuação nas várias regiões do País.

Sob o título “Cigarro eleva risco do tipo mais comum de câncer de mama”, o estudo avaliou dados de mulheres com idade entre 20 e 44 anos que haviam sido diagnosticadas com câncer de mama entre 2004 e 2010. Entre elas, 778 apresentaram tumores do tipo receptor de estrogênio positivo e 182 tiveram o câncer triplo negativo. Segundo os pesquisadores, o câncer de mama associado ao cigarro é do tipo receptor de estrogênio positivo, e as mulheres que fumam mais do que um maço de cigarros por dia (há pelo menos dez anos) têm um risco 60% maior de desenvolver a doença em comparação com aquelas quem fumam menos ou que não são fumantes.

 

“O câncer de mama é apenas mais uma entre dezenas de outras doenças causadas pelo fumo. Por isso a importância de ampliarmos cada vez mais as ações de combate ao tabagismo, especialmente por meio da divulgação dos inúmeros problemas que levam milhares de pessoas à morte prematura”, enfatizou a diretora-geral da Agevisa/PB, fonoaudióloga Maria Eunice Kehrle dos Guimarães. Entre os males associados ao tabagismo, ela destacou, além do amplamente conhecido câncer de pulmão, outros tipos de tumores que atingem regiões como a boca, o estômago, a laringe e o pâncreas.

 

Desde terça-feira (14), o combate ao tabagismo vem sendo intensificado na Paraíba por meio de ações coordenadas pela Secretaria de Estado da Saúde com a parceria da Agevisa/PB, da Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa, da Associação Médica da Paraíba, da Sociedade Paraibana de Pneumologia, do Hospital Clementino Fraga e de planos de saúde em atividade no Estado.

 

Segundo a SES/PB, existem atualmente na Paraíba 37 Centros de Referência para Tratamento dos Fumantes com capacidade para apoiar e ajudar as pessoas a se livrarem do vício da nicotina. O serviço é oferecido em Unidades de Saúde da Família, em Centros de Atenção Psicossocial (Caps), Centros de Atenção Integral à Saúde (Cais), nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf) e nos Centros de Saúde.