Fale Conosco

1 de junho de 2017

Agevisa alerta para os riscos à saúde provocados pelo fumo em ação do Dia Mundial sem Tabaco



A Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa/PB) participou das ações que marcaram a edição 2017 do “Dia Mundial sem Tabaco”, campanha que tem a finalidade de sensibilizar a população para a importância da prevenção e tratamento do tabagismo por meio de alertas sobre os riscos à saúde humana provocados pelos produtos derivados do fumo.

Organizadas na Paraíba pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria da Saúde (SES/PB), as atividades foram realizadas na Estação Ferroviária da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), localizada no bairro do Varadouro, em João Pessoa/PB. A Agevisa se fez representar pela diretora-técnica de Ciência e Tecnologia Médica e Correlatos, Helena Teixeira de Lima Barbosa, pela ouvidora Neide Maria Alves e pela assistente administrativa Susana Batista dos Santos, que, durante toda a manhã de quarta-feira (31), informaram a milhares de usuários do sistema de trens urbanos sobre as muitas doenças provocadas pelo hábito de fumar.

Além da SES/PB e da Agevisa, as ações ocorridas na Estação Ferroviária de João Pessoa tiveram a participação da Associação Médica da Paraíba ((AMPB), da Sociedade Brasileira de Cardiologia da Paraíba (SBC/PB), da Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa, das Ligas Acadêmicas de Cardiologia e de Pneumologia da Paraíba, do Instituto Brasileiro de Políticas Públicas (Ibrapp), da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) e dos Planos de Saúde Afrafep, Geap e Cassi.

Além das orientações sobre os males causados pelo fumo, a campanha ofereceu aos usuários do sistema de trens urbanos serviços de verificação de pressão arterial, Teste de Glicemia e testes exclusivos para fumantes, como Peak Flow (avaliação respiratória) e Fagerstrom (avaliação do grau de dependência da nicotina).

Responsabilidade governamental e social –Conforme ressaltou a diretora-geral da agência reguladora, fonoaudióloga Maria Eunice Kehrle dos Guimarães, a presença constante e ativa da Agevisa/PB nas campanhas de combate ao tabagismo tem base no entendimento de que cabe a todos os órgãos governamentais, e também não governamentais, contribuir de forma efetiva para que um número cada vez maior de pessoas passe a entender que o vício relacionado aos produtos derivados do fumo abrevia o tempo de vida e, na maioria dos casos, leva os dependentes à morte.

Referindo-se aos problemas de saúde diretamente ligados à sua área profissional (a Fonoaudiologia), Maria Eunice lembrou quea fumaça e as milhares de substâncias do cigarro e outros produtos afins agridem todo o sistema respiratório; ressecam o aparelho fonador; causam irritação da mucosa do nariz, boca e laringe, e favorecem ao aparecimento de diversas complicações, como edemas, pólipos, hiperplasias, displasias e câncer de laringe, cuja incidência é quarenta vezes maior em relação aos não-fumantes.

Estrutura de tratamento – Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES/PB), existem na Paraíba vários Centros de Referência para o Tratamento dos Fumantes que oferecem apoio a quem quer se livrar do vício da nicotina. O atendimento é oferecido em Unidades Básicas de Saúde, em Centros de Atenção Psicossocial (Caps) e em Centros de Atenção Integral à Saúde (Cais).

Em João Pessoa, o atendimento aos fumantes é feito nos Cais do Cristo, Mangabeira e Jaguaribe, no Centro de Saúde de Mandacaru, no Caps AD III David Capistrano (no bairro do Rangel) e no Caps AD III do bairro da Torre. Os Caps, conforme a SES/PB, funcionam 24 horas, incluindo sábados, domingos e feriados.

O tratamento nesses locais é mantido pelo Ministério da Saúde, que repassa medicamentos ao Estado, a quem compete fazer o encaminhamento aos municípios. O Estado também é responsável pela qualificação das equipes e monitoramento do programa contra o tabagismo. Os municípios implantam e executam o tratamento por meio do Programa Nacional de Controle do Tabagismo.

Dados – De acordo com estimativas do Ministério da Saúde, a Paraíba possui hoje 453.546 fumantes e, destes, 92.197 estão em João Pessoa. Neste ano, 153 pessoas morreram vitimadas pelo câncer de pulmão. Em 2016, foram 405 óbitos, pela mesma causa, e em 2015, foram 422 mortes.