Fale Conosco

19 de novembro de 2012

Aesa registra queda da umidade relativa do ar em Patos e Sousa



sertao foto antonio davidA Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa) registrou queda acentuada na umidade relativa do ar no interior do Estado nesse final de semana. No domingo (18), os sensores do Centro de Gestão de Situações Críticas marcaram 18% e 19%, nas cidades de Patos e Sousa, respectivamente. A previsão para as próximas 24 horas é de que a estes índices não fiquem abaixo dos 20%, mas a temperatura pode ultrapassar os 36ºC no Sertão.

Com base nos estudos feitos pelos técnicos da Aesa, o Governo do Estado alertou as defesas civis do Sertão e Cariri paraibano sobre os baixos índices. “Nossa previsão foi realizada tomando como base a observação de uma massa de ar seco presente em todo Nordeste. Por causa deste fenômeno, altas temperaturas foram registradas em Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará”, observou a meteorologista Marle Bandeira.

Segundo Marle, a perspectiva é de que nas próximas 24 horas não haja queda acentuada na umidade relativa do ar no interior da Paraíba. “A zona de convergência do Atlântico Sul está trazendo um pouco de umidade do estado do Amazonas para o sul do Nordeste”, explicou.

De acordo com a médica do Hospital de Emergência e Trauma da Capital, Wilane Wani, a redução na umidade relativa do ar, que é a quantidade de água na forma de vapor na atmosfera, pode causar complicações alérgicas e respiratórias. “Em situações como estas é importante prevenir o ressecamento da pele e a irritação dos olhos com o uso de soro fisiológico. Também não é recomendada a realização de atividades físicas e trabalhos ao ar livre entre meio-dia e 15 horas”, alertou.

Monitoramento – O Governo do Estado possui 16 estações meteorológicas que acompanham as condições de tempo, clima e recursos hídricos. Além da umidade do ar, são monitorados: temperatura do solo, precipitação pluviométrica, radiação solar, pressão atmosférica, direção e velocidade do vento. Os dados são enviados para a Sala de Situação da Aesa, também conhecida como Centro de Gestão de Situações Críticas, de onde são emitidos os alertas para os órgãos competentes.