João Pessoa
Feed de Notícias

AESA discute o Sistema de Gestão de águas do Projeto São Francisco

sexta-feira, 11 de junho de 2010 - 16:23 - Fotos: 

A presidente da Agência Executiva de Gestão de Águas do Estado da Paraíba (AESA), Cybelle Frazão, e demais servidores do órgão participaram, nestas quinta (10) e sexta-feira (11), da Oficina Sistema de Gestão do Projeto São Francisco. Realizado pelo Ministério da Integração, o evento aconteceu no auditório da sede da Agência, em João Pessoa.

O objetivo é montar o Sistema de Gestão do Projeto de Integração do São Francisco (PISF) no Estado da Paraíba. Segundo o coordenador do Conselho Gestor do PISF, José Luiz de Souza, a montagem desse sistema para o projeto é essencial. “É importante articular com os atores (os governos federal e estadual); por isso, um dos nossos primeiros objetivos é buscar essa articulação entre os atores que fazem parte do projeto para que ele se efetive, seja eficaz e descentralizado como previsto na legislação que regulamenta o setor de recursos hídricos”, explicou.

Meta – José Luiz disse ainda que o Ministério da Integração, na condição de agente empreendedor do projeto, é responsável por coordenar sua execução com os Estados receptores das águas. E a meta para a conclusão do Eixo Leste é até o final deste ano e a entrada em operação ainda no primeiro semestre de 2011. Já o Eixo Norte, que é bem mais extenso, deve ser concluído até o ano de 2012.

Além do Ministério da Integração e a AESA, participaram do evento o secretário executivo da Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Ciência e Tecnologia (Semarh), Eloizio Henriques; o assessor do diretor de Gestão da Agência Nacional das Águas (ANA), Carlos Motta, mais representantes do Departamento Nacional de Obras Contras as Secas (DNOCS) e da empresa CMT Engenharia.

Cunho social – O assessor do diretor de Gestão da ANA, Carlos Motta, considerou que o PISF é muito mais um projeto de gestão de recursos hídricos do que só obra, “ou seja, a partir do momento que a água chegar no Estado, este terá que gerir de forma adequada e para isso tem que começar desde já essa articulação do Ministério da Integração com os Estados, para que a água atinja seu cunho social que é de chegar à população”, enfatizou. Ele acrescentou que para a ANA, enquanto agência reguladora do projeto, “é importante acompanhar de perto todo esse processo para que o objeto do projeto não se desvirtue”.

Em relação à Paraíba, Carlos Motta disse que como será o primeiro Estado a receber as águas do rio São Francisco, tem também que ser o primeiro a estar pronto para usá-las. “Ainda faltam alguns detalhes para serem ajustados, mas o Estado está no caminho certo”, disse.
Empenho – A presidenta da AESA, Cibelly Frazão, lembrou a afirmação do presidente da ANA, Vicente Guillo, durante sua visita a João Pessoa, quando declarou que a Paraíba vai sim receber as águas da transposição, e enfatizou que o esforço do Estado para receber essa água “é fruto de uma gestão compromissada com os recursos hídricos que o governador José Maranhão vem desempenhando”.

A responsável pela Comunicação do PISF, Eliane Bearzi, ressaltou a importância da disseminação do projeto não só entre os agentes executores e técnicos, “mas que toda a sociedade civil possa entender o projeto e ter conhecimento dos benefícios que ele trará para a população”.

Benefícios – O projeto de integração do rio São Francisco com as bacias do Nordeste Setentrional foi elaborado pelo Governo Federal, através do Ministério da Integração Nacional, e tem como objetivo diminuir o sofrimento, as perdas e dificuldades de milhões de brasileiros vítimas da seca na região. Isso fará com que as populações locais tenham água tanto para consumo humano e animal, quanto para o cultivo de alimentos.
 
A obra beneficiará 12 milhões de brasileiros do semi-árido e consiste em dois eixos: o Norte e o Leste. O Eixo Norte partirá de Cabrobó e seguirá para os rios e açudes do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Ceará. O Eixo Leste partirá do Lago de Itaparica e seguirá para os rios e açudes da Paraíba e Pernambuco.

 

Da Assessoria de Imprensa da AESA