Fale Conosco

29 de maio de 2009

Adutora São José vai garantir água a Campina Grande por mais 30 anos



O abastecimento de água em Campina Grande, mais cinco cidades, dois distritos e um povoado, beneficiando 600 mil pessoas, estará garantido por mais 30 anos, depois de entregues as obras de ampliação do sistema adutor que o Governo do Estado está executando, viabilizando assim a instalação de novas unidades industriais que vão consolidar o desenvolvimento econômico da região. Foi que garantiu nesta sexta-feira (29), o governador José Maranhão, ao assinar a ordem de serviço para a construção da adutora São José, durante visita ao canteiro de obras no Sitio Gravatá.

A quarta etapa do sistema que vai reforçar o abastecimento de água naquela região tem uma extensão de 20 quilômetros custará R$ 18,3 milhões, e atenderá as cidades de Campina Grande, Pocinhos, Lagoa Seca, Matinhas, Alagoa Nova, São Sebastião de Lagoa de Roças, os distritos de Galante e São José da Mata e o povoado de Jenipapo. Os recursos virão do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC).

O governador informou que a partir de março de 2010, quando está prevista a inauguração da adutora São José, “essas cidades não mais vão conviver com a possibilidade de racionamento, mesmo em período de longas estiagens, ainda mais com a chegada das águas do rio São Francisco”. Lembrou que durante sua administração anterior havia planejado construir essa obra que, mais as adutoras de Acauã e a do Cariri, garantirá à população “o fornecimento de água sem o fantasma do racionamento”.

Recuperando o tempo – A obra teve início em julho do ano de 2008, mas era executada em ritmo lento. Até fevereiro deste ano, menos de 1% (ou 0,88%) fora executado. Em 60 dias do atual governo, já se cumpriu 12,5% do previsto. A proposta é recuperar o tempo perdido, trabalhando com mais agilidade na sua execução.

“A cidade de Campina Grande detém um grande parque industrial ainda em expansão, e uma estrutura de centro tecnológico reconhecido e mais avançado do País”, afirmou. Ele disse que o Governo do Estado vem proporcionando todos os meios econômicos e técnicos para que a adutora tenha prosseguimento e de modo rápido.

Segundo o governador, Campina tem um compromisso histórico com o desenvolvimento da Paraíba. A adutora de São José deveria estar pronta há seis anos, desde o início do governo anterior; no entanto, caminhou de maneira lenta. Falando sobre o conjunto de obras do PAC que deveriam ser executadas na Paraíba, ele explicou que de todos os recursos recebidos somente 23% foram investidos durante os dois anos e dois meses da administração passada. “Instalamos uma nova dinâmica de administração no Estado que executa as obras planejadas”, disse. 

“A Barragem Acauã foi idealizada para suprir a carência da Barragem Boqueirão, que já apresentava deficiência no atendimento da cidade diante da demanda do crescimento da população, já que a adutora do Cariri caminhava na mesma direção”, comentou.

Sobre o elenco de obras que a gestão atual começa a executar e outras que projeta, disse que tudo é feito sem alarde. “O segredo é trabalhar e não apenas fazer a mídia”, acrescentou o governador, lembrando que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante solenidade no Palácio do Planalto na quinta-feira (28), o cumprimentou pela celeridade que vem dando na execução de obras na Paraíba.

O secretário da Infraestrutura, Francisco Sarmento, fez um relato sobre como a obra foi encontrada. “Um verdadeiro cemitério de peças”, disse. Estiveram presentes à solenidade, o deputado federal Wilson Santiago e o deputado estadual Arnaldo Monteiro, além de prefeitos de alguns municípios, secretários e auxiliares do Governo do Estado.

José Nunes, com fotos de Antônio David, da Secom