João Pessoa
Feed de Notícias

Adolescentes da Fundac realizam Varal Poético pelo Dia Mundial da Poesia

quinta-feira, 22 de março de 2012 - 18:11 - Fotos: 

Foto: João Francisco/Secom-PB

Os adolescentes internos nas unidades de ressocialização da Fundação Desenvolvimento da Criança e do Adolescente (Fundac) participaram, nesta quarta e quinta-feira (21 e 22), de um Varal Poético alusivo ao Dia Mundial da Poesia, comemorado em 21 de março. O evento faz parte do projeto de reintegração educacional, profissional e cultural promovido pela Fundac e tem como objetivo despertar as potencialidades dos jovens em cumprimento de medida socioeducativa de internação e semiliberdade no Estado da Paraíba.

Todas as poesias expostas nos varais foram escritas pelos adolescentes, sob a orientação da equipe de educadores da Escola Estadual Almirante Saldanha, responsável pela educação formal dos internos nas unidades da Fundac. Além da exposição de poesias e do trabalho artístico-educacional desenvolvido nos meses anteriores ao evento, os jovens receberam a visita de poetas que falaram sobre as suas obras e trabalhos.

O poeta e cordelista Bira Delgado participou do evento no Centro Educacional do Adolescente (CEA), em João Pessoa, onde destacou o cenário literário regional e falou sobre a importância da poesia na formação social do indivíduo. “A poesia tem um papel fundamental em qualquer processo pedagógico, pois ela motiva não só a leitura, mas a maneira como o sujeito vê o mundo, suas percepções e sensibilidades”, disse.

A Casa Educativa, unidade de internação feminina, recebeu a visita dos poetas Chico Viola e Valmir Filho; o CEA de Sousa contou com a presença de Geraldo Bernardo; e o Abrigo Provisório e Lar do Garoto, em Lagoa Seca, do artista Manoel Monteiro. A unidade de semiliberdade, em João Pessoa, também realizou uma mostra de poesias.

A presidente da Fundac, Cassandra Figueirêdo, disse a ideia deste evento surgiu a partir da necessidade de implantar nas unidades atividades que nunca fizeram parte do cotidiano dos adolescentes. “A falta de acesso à educação, lazer, esporte e cultura tira dessas jovens, quando ainda estão na fase da infância, a perspectiva de um futuro longe da criminalidade e das drogas. A nossa missão nas unidades de atendimento socioeducativo é fazer com que o jovem entenda que ele cometeu um ato infracional e que precisa ser responsabilizado por isso, mas esse fator deve estar aliado a um trabalho de ressocialização e de novas e melhores descobertas”, enfatizou.