João Pessoa
Feed de Notícias

Acolhimento e humanização são temas de palestra no Hospital de Trauma da Capital

quarta-feira, 6 de setembro de 2017 - 10:49 - Fotos:  Secom-PB

“Somos uma equipe”. Essa fala, que valoriza o trabalho multiprofissional, se repetiu entre os presentes na palestra “Acolhimento e humanização”, promovida pelo Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa. O responsável por realizar a abordagem foi o enfermeiro Manoel Alves, coordenador do Centro de Imagens (CDI) e da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) móvel.

Para o palestrante, as discussões entre os funcionários, visando melhorias, são de grande relevância para o bom funcionamento da instituição. “Essa iniciativa é bastante proveitosa e mostra a preocupação que a direção do hospital e o Governo do Estado têm em dialogar com seus colaboradores. Então, nada melhor do que ter um momento para debatermos o acolhimento e a humanização, temas bastante atuais, além de tentar aliar a tecnologia ao ato de cuidar, pois essa é a nossa função”, pontuou o palestrante.

A coordenadora do Serviço social, Neuma Ribeiro, chamou atenção para a necessidade de se fazer um trabalho bem articulado. “Lidamos aqui com uma equipe multiprofissional e, hoje, pudemos discutir as ideias com as outras profissões. Desse modo, pudemos dividir as dificuldades, para somarmos e prestarmos um atendimento melhor”, ressaltou.

Além disso, a coordenadora da Psicologia, Anne Michelle Paiva, destacou que preparar os profissionais para prestar um bom acolhimento é de extrema importância para que o paciente possa aderir ao tratamento oferecido. “A acolhida que o paciente tem é determinante para que ele tenha confiança e se sinta seguro. Tudo isso começa no primeiro momento, na acolhida, e se estende para os familiares e acompanhantes, que têm a sensação de que o seu paciente está sendo bem cuidado”, frisou.

Outro objetivo dessa ocasião foi atualizar os conhecimentos dos funcionários da unidade de saúde, como afirmou a técnica de enfermagem, Ana Célia. “Todos necessitam de uma reciclagem. O paciente, que chega emocionalmente abalado, precisa que todos os profissionais ofereçam o seu melhor serviço, afinal somos uma equipe”, ressaltou.